Cernunnos

Cernunnos é, possivelmente, a mais antiga divindade do panteão céltico, sendo até mesmo considerado anterior às invasões celtas. Sua primeira representação conhecida data-se do século IV a.C. na Itália. Trata-se de uma representação sobre rocha, na qual o deus aparece esculpido em seu aspecto antropomorfo, com dois chifres na cabeça e torques nos braços, ao lado, uma serpente desenhada, simbolizando o renascimento, a fertilidade e a sabedoria. A gravura de seu nome foi encontrada em um único relevo feito por volta do primeiro século d.C., no qual Cernunnos foi representado com orelhas de cervo e chifres.

Entretanto, a imagem mais famosa e surpreendente desta deidade é a do Caldeirão de Gundestrup, encontrado na Dinamarca, fabricado por volta do séc. II ou I a.C., o recipiente de prata de 36 cm de altura estava quebrado em cinco pedaços, reconstituído, o caldeirão mostra Cernunnos com as pernas cruzadas, um torque no pescoço e outro na mão direita, na mão esquerda, uma serpente é segurada. Frequentemente o deus também é representado com animais como cervos e touros. Porém, Cernunnos é ainda mais antigo, muitas são suas pinturas em pedras e cavernas, suas representações denotam a pré-história, onde nossos antepassados pré-históricos o reconheciam como um deus xamânico da caça. Mais do que isto, Cernunnos representa a própria Árvore Sagrada, o Eixo entre os mundos, conectando a Terra, o Mar e o Céu.

Cernunnos é geralmente representado por um homem com galhadas de cervo, longos cabelos e barba, nu ou coberto por folhas ou roupas feitas de pele de animais. Sua força é muito relacionada ao sagrado masculino e aos instintos primordiais do indivíduo.

Deus da fertilidade, da natureza e dos animais, Cernunnos representa grande sabedoria e poder. Na antiguidade, as galhadas eram consideradas símbolos de virilidade, honra e força, e apenas aqueles que a possuíam eram indivíduos que detinham sabedoria sobre o mundo. Sua energia trabalha a prosperidade, riqueza, sabedoria, conhecimento mágico/oculto, a morte e renascimento. As oferendas a ele podem ser elementos naturais como folhas, gravetos, ossos e galhadas.

Cernunnos é aquele que traz a terra, que firma os caminhos, que conecta àquele que está na Terra, ao Mar e ao Céu, e entre os mundos dentro dos mundos. Suas galhadas se estendem sobre os céus trazendo a sabedoria. Seu sêmen é o nutrir da própria terra, que faz as sementes crescerem dentro da escuridão e avançarem rumo à luz do Sol, que as espera para iluminá-las. Cernunnos nutri o nosso próprio ser, trazendo força, sabedoria e renascimento.

 

Referências Bibliográficas

http://www.celtologia.com

https://www.druidry.org/library/gods-goddesses/cernnunos-ancient-celtic-god

http://mitographos.blogspot.com.br/2012/01/cernunnos.html

MAY, Pedro Pablo G. Os mitos Celtas. 1ª Ed. São Paulo: Angra, 2002. p. 51-54.