Dagda

Dagda, seu nome traduzido significa “Bom Deus” e é um dos líderes dos Tuatha Dé Danann. É associado à fertilidade, prosperidade, conhecimento e feitiçaria, e também é um grande guerreiro. Isso pode ser constatado por meio de seus diversos mitos.

Sua aparência física é representada ora por um gigante, chegando a ser maior que as montanhas mais altas e simbolizando o possuidor de uma grande força, ora é representado por um homem gordo com um grande falo, o que nos remete à fertilidade e abundância.

Dagda é conhecido por outros três nomes, sendo eles: Aed Abaid de Ess Rúaid, Rúad Rofhessa (Ruivo de Todo o Conhecimento) e Eochaid Ollathair (Cavaleiro Pai de Todos).

Ele sempre carrega consigo três objetos mágicos, um casal de porcos e um pomar, todos estes estão associados a sua magia.

Seu primeiro objeto mágico é a clava bifurcada com rodas, conhecida como “Lorg Anfaidh”, ela contém a força e a magia suficientes, não apenas para matar com uma de suas extremidades, mas também trazer a vida com seu outro lado. Para carregá-la é preciso a força de nove homens.

Seu segundo objeto, que também é um dos quatro tesouros dos Tuatha Dé Danann, é o caldeirão da fartura, cujo nome é Undry. Este caldeirão está sempre cheio com um caldo que poderia alimentar guerreiros em um longo período de batalha e ainda assim seu alimento não cessaria. Porém, só pode se alimentar deste caldeirão aquele que é julgado digno dele.

Ele também leva consigo sua harpa de carvalho, conhecida como Úaithne. Nos mitos, o Dagda controla as estações e o clima através da música tocada em sua harpa. Assim, poderia tornar o clima dentro das batalhas mais propício a seus guerreiros, e também controlar o clima para auxiliar as colheitas dos Tuatha Dé Danann.

O Dagda possuí um casal de porcos que simboliza a abundância, assim como o seu caldeirão, eles podem ser comidos infinitas vezes, mas sempre voltam à vida, assim como seu pomar que, independente da época do ano, sempre está com frutos.

O aspecto da fertilidade não está apenas ligado aos alimentos e colheitas, mas também às relações sexuais. Há diversos mitos que relatam o envolvimento sexual do Dagda com outras divindades.

No mito “A Segunda Batalha de Moytura”, o Dagda une-se sexualmente com a Deusa Morrigan, um dia antes da batalha. Eles se deitam à margem do rio Unshin e ele sacia o apetite sexual da Deusa, em agradecimento às informações proféticas da batalha que lutariam no dia seguinte.

Além da Deusa Morrigan, o Dagda teve outras uniões como: Boann e Ní Indech. Sua aparência, conforme descrita no início do texto, reforça essa característica, que nos remete à figura do Bom Deus fértil.

Seus relacionamentos geraram muitos filhos, conhecidos hoje também como divindades: Óengus ,Aed,  Brigit, Bodb Dearg, Midir, Finnbar e Cermait Milbe.

Em seus diversos mitos somos remetidos à figura de um Bom Deus relacionado à prosperidade, abundância e fertilidade, mas não podemos esquecer que o Dagda também é um líder de batalha, e que liderou muitos guerreiros. Embora o Dagda seja possuidor de uma grandiosa força e bravura, sua atuação em batalha não se limita a isso. Nelas, utiliza suas magias/ feitiçarias para confundir os inimigos e levar seu exército à vitória.

Mesmo que o significado de seu próprio nome seja o “Bom Deus”, devemos sempre lembrar que apenas se alimenta do caldeirão do Dagda aquele que se mostra merecedor de suas bênçãos e boa vontade.

REFERÊNCIAS:

https://otemplodedagda.wordpress.com/quem-e-dagda/

http://portal-dos-mitos.blogspot.com.br/2014/02/dagda.html

https://tesourosdairlanda.wordpress.com/2013/03/21/como-o-dagda-conseguiu-seu-bastao-magico/#more-131

http://ramodecarvalho.com.br/mitologia/mitologia-gaelica/a-segunda-batalha-de-magh-tuiread-estudo-do-ciclo-mitologico-gaelico/a_segunda_batalha_de_magh_tuiread/