Resenha: 4º Encontro Paulista de Druidismo e Reconstrucionismo Celta

4º Encontro Paulista de Druidismo e Reconstrucionismo Celta

Neste ano o EPDRC aconteceu nos dias 07 e 08 de outubro no Laboratório Lunar, em Perdizes. Pela primeira vez o evento teve dois dias de duração, mantendo uma programação contínua em duas salas simultâneas, além de expositores e leitura de oráculos.

Infelizmente não pude estar presente nos dois dias, comparecendo ao evento apenas no domingo, dia 08. Sendo assim, embora tenha ouvido comentários muito positivos do sábado, vou me ater às atividades em que estive presente.

O domingo começou abençoadamente ensolarado, convidados e palestrantes das primeiras atividades foram chegando cedo, organizando os espaços e iniciando um agradável clima de confraternização.

As primeiras atividades do dia foram: “Caixa de cura de Brigit” com Mariana Leal e “A dança e o sagrado” com Carol Bispo (Floresta de Manannán), autora dessa resenha. As atividades começaram com poucas pessoas presentes no espaço, mas que foram aumentando em número com o transcorrer da hora. Ambas atividades tiveram intervenções musicais: na forma de apresentação de dança, na qual dancei ao som do derback tocado pelo Danilo Rodrigues, e devido à consagração da caixa de cura, com cantos, tambores e maracás. Assim as atividades terminaram deixando um clima de alegria no ar.

Ao final de cada atividade os organizadores do evento, Sheilla Sabbag e João Uberti (Caer Itaobi), faziam um sorteio com brindes fornecidos pelos expositores, garantindo ainda mais o alto astral do evento.

Após as primeiras atividades tivemos tempo de apreciar os expositores presentes e sair para almoçar com uma promessa de chuva nas nuvens escuras, porém que não se concretizou.

Volta do almoço e retomada das atividades, agora com um número maior de pessoas no espaço. Tivemos as palestras sobre “A influência Celta nas tradições Wiccanianas brasileiras contemporâneas” com Luanin Luaetita e Tyrfang Hollydragon e “Deuses da Ibéria Celta” com Karla Alves Barbosa (Ramo de Carvalho). Acompanhei a atividade sobre os Deuses da Ibéria Celta, na qual a palestrante discorreu sobre alguns dos Deuses cultuados na região com bastante fluência e domínio do tema, respondeu dúvidas e forneceu informações de alta qualidade.

Na sequência tivemos: “O oráculo das quatro árvores” com Bellouesus (Nemeton Beleni) e “As espirais de Newgrange” com Rowena A. Seneween (Fidnemed an Síd). Nessa rodada acompanhei a palestra de Bellouesus, uma palestra de alto nível, com direito a citações em gaélico e grego arcaico, e uma parte prática que motivou e envolveu os presentes, que tiveram a oportunidade de interagir com os oráculos apresentados, seja jogando ou ajudando na interpretação.

Após um breve intervalo fomos para as últimas atividades do dia: “Ogham oracular” com Ávillys d’Avalon (Leanaí na Ghealach Clann) e “Vivência Reino do Mar” com Marcos Reis (Floresta de Manannán). Acompanhei a vivência com o Marcos Reis, na qual, após uma breve contextualização teórica, os participantes foram guiados ao som dos tambores e cantos em uma profunda vivência às Ilhas de Manannán. O envolvimento dos presentes foi tocante, relatando ao final vivências ricas em bênçãos e aprendizados.

O evento chegava ao fim, sendo encerrado com um rito conduzido pelos organizadores.

O clima de todo o dia permaneceu bastante elevado, o evento se desenrolou sem incidentes, com ares de confraternização, mas com muito aprendizado. Com certeza os Deuses estavam presentes.

Parabéns à organização: Caer Itaobi – Sheilla Sabbag e João Uberti, Laboratório Lunar – Lua Turino e Rafael Akaynã, que venham os próximos.